Entramos no Eremoceno

Não mais do que de repente, a era da comunicação, do excesso de informações, da facilidade de convocação de pessoas para manifestações, teve de estancar. O vírus minúsculo, invisível a olho nu, colocou o planeta em quarentena.

Muitas as lições a extrair dessa fatalidade. A primeira, é aceitar a fragilidade humana, por mais que a espécie pretensiosa possa insistir no postulado de ser a única racional dentre as criaturas vivas.

publicidade

Onde a arrogância, a onipotência, a onisciência num momento em que o vírus não escolhe vítimas, embora persistam alguns a dizer que é a doença que limpará o planeta do entulho ancião.

A segunda, para nós brasileiros, é lamentar que um país de miseráveis tenha destinado tanto dinheiro para construir arenas desportivas hoje ociosas e em completo abandono, em lugar de edificar hospitais, investir em pesquisa e levar a sério a ciência.

Custará muito caro a conjugação de imprevidência, de omissão e de irresponsabilidade criminosa. O que acontecerá com os desvalidos? Aqueles que se acotovelam em exíguos espaços? Já desprovidos de saneamento básico, de condições de salvaguarda, sejam materiais, sejam culturais. Pois a educação pública, sustentada por vultosas quantias subtraídas a um povo que vê crescer o número dos desempregados, dos sem teto e sem perspectivas, não se preocupa senão em fazer o estudante decorar inutilidades. Nada que sirva para a sobrevivência digna.

Para quem pode, retrair-se não é uma tragédia. Propicia uma reflexão a respeito do egoísmo e do consumismo insensível às necessidades do semelhante. É a Era da Solidão, o Eremoceno. Oportunidade para indagar se isso não é sinal do nosso descaso em relação à natureza e ao destino de todos os demais viventes.

Para os religiosos, sinal do Apocalipse, que profetiza muitas catástrofes recaindo sobre a cruel humanidade. Para os céticos, a natural e gradual extinção de todas as formas de vida sobre o planeta. Prosseguimos a exterminar a biodiversidade, sem respeito algum à flora e à fauna. Teria chegado a hora da culminância, com a aniquilação do sapiens?

*José Renato Nalini é Reitor da UNIREGISTRAL, docente da Pós-Graduação da UNINOVE e Presidente da ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS – 2019-2020.

 

 

 

Comentários
Compartilhe